09 agosto 2017

Boas Maneiras e a Honestidade: Pontos Práticos

  1. A honestidade se vive primeiro a nível pessoal.  Ser honesto é mais do que não roubar: é viver de acordo com os bons valores. A pessoa honesta o é em todas as coisas e sempre.  Ou seja, no seu comportamento, nas suas palavras e nos seus interesses. E em casa, como no trabalho, na Igreja e inclusive quando se está só. A pessoa honesta tem palavras, sentimentos e comporta-se de forma sincera.  
  2. A pessoa honesta cumpre com seus horários, tarefas, obrigações sociais, pessoais, morais etc.  sem adiamentos.  De forma cabal, completa e da melhor maneira porque de outro modo seria fraudar a justiça.  
  3. Sempre cumpre com suas obrigações. É uma falta grave contra a justiça deixar de trabalhar como se deve. E mentir sobre as razões de adiamentos e simplificações para tirar por menos indevidamente é corrupção de caráter.
  4. A palavra dada tem que ser cumprida sempre. Se disse que ia fazer,faça.  Seja dar um telefonema, seja enviar um e-mail, pagar uma conta, fazer um favor, faça. 
  5. A pessoa honesta não se utiliza de mentiras, joguinhos ou enganos para manipular as pessoas à seu favor.
  6. A honestidade exiger que respeitemos o bom nome das pessoas e instituições e por isso a pessoa honesta não é maledicente.
  7. A pessoa honesta sempre guarda os segredos, os problemas e as dificuldades profissionais sobre uma discrição prudente.  Se nem a caridade nem a obrigação exigir, não se divulgam como assunto corrente de conversas, defeitos, pecados, problemas familiares, do trabalho, de dificuldades financeiras pessoais nem alheias.
  8. A honestidade também nos faz ter cuidado com os endividamentos, as compras excessivas, os relacionamentos e situações que parecem não ser honestos ou que podem levar a um deslize moral.  A pessoa honesta nunca pactua com o desonesto mesmo que todos à sua volta o façam.  Ela nunca relativiza a importância de um mal menor para justificar-se.  Isso já é corromper-se.  Nunca se mente para si mesmo sobre a real capacidade de compra, de comprometer-se, de chegar a tempo, de envolver-se ou sobre o mal que se está colocando num programa vulgar, numa má companhia, numa má escolha, etc.
  9. A pessoa honesta também não falseia a intenção intenção que o move. Todo ato para ser bom é precisa ser bom em si mesmo, ( ou indiferente, como comer) E QUE A INTENÇÃO QUE O MOVA SEJA RETA.  Dizer que tem que trabalhar até tarde e fazer-se de vítima para não chegar cedo em casa e evitar ajudar na educação dos filhos é ser desohonesto na intenção que o move. 
  10. A falta de honestidade faz a pessoa viver num mundo falso, irreal o que traz graves consequências para o tipo de vida que ela e sua família levam.  Uma pessoa que comece dizendo que está “cansado” e por isso não lava a louça do almoço, quando na verdade tem preguiça, não é honesta sobre o que está realmente acontecendo e com a “prática” de desonestidades como esta, irá falseando e deturpando a sua realidade.  Rapidamente essa pessoa caminhará para estados de depressão e desleixo, para queixas, para exploração dos filhos, para vitimização, etc.  que afetarão toda a família.  
  11. A pessoa honesta não explora empregados. Todos somos irmãos e filhos do mesmo pai e merecemos a mesma consideração e respeito que queremos para nós. E uma das primeiras maneiras de respeitar os demais é pelo estabelecimento de relações honestas.  
  12. A pessoa honesta não rouba, não apoia corrupções, não lesa os demais, não falsifica produtos, não apoia atos de desrespeito ou preconceito nem é omissa na denúncia oportuna do erro.  
  13. A pessoa honesta não se omite em relação a um erro próprio e pede desculpas e tenta corrigir o mal causado.  
Exame sobre a nossa Honestidade
No Exame para Confissão você poderá incluir perguntas sobre a honestidade para crescer nesta qualidade humana como:
  1. Aproveito o tempo intensamente ou entrego-me ao ócio com facilidade deixando de cumprir minhas obrigações?  
  2. Recebo um salário por um serviço que devo prestar.  Correspondo trabalhando com intensidade e utilizando de todos os meus dons para realizá-lo de forma bem feita?  
  3. Utilizo de material ou tempo do escritório para fins pessoais?  
  4. Fiquei com algum objeto de alguém?  Pedi emprestado e não devolvi?  
  5. Menti?  
  6. Evito fazer gênero para chamar atenção sobre mim mesmo sobrecarregando os demais sem motivos?  
  7. Cumpro todas as minhas promessas?  Todas, inclusive aquela “ – Vou telefonar para você semana que vem? ” “ - Vou lhe dar este presente amanhã. ” Etc.  Compreendo que a confiança que as pessoas depositam em mim depende da correspondência à verdade de minhas palavras e atitudes?  
  8. Assisto a programas desonestos e depois faço gênero puritano?  
  9. Menti ou engano pessoas, por exemplo, mais jovens, valendo-se do meu cargo, posição na empresa, social ou dinheiro para obter vantagem sexual?  
  10. Mudo de valores conforme o ambiente?  Em ambientes onde usam drogas considero isso uma “modernidade” e em outros uma imoralidade?  
  11. Quando atendo o público no meu trabalho evito aproveitar-me da ignorância deles sobre algum produto, serviço ou trâmite burocrático para “curtir com a cara dele”, tirar vantagem, evitar trabalhar, tirar dinheiro, etc.  ?  
  12. Devolvo em bom estado tudo que peguei emprestado?  
  13. Evito ser pesado aos demais com falsos problemas, pedidos de atenção, lamúrias.  Evito abusar das empregadas domésticas, da secretária, dos entregadores, etc?  
  14. Compreendo que o meu descuido na vida em sociedade por falta de honestidade causa muitos males na vida cotidiana e que é desonesto trabalhar mal, agir com preguiça, má fé, má intenção?  
  15. Compreendo que é desonesto agir com intenção pouco reta?  Devo amor e respeito aos demais gratuitamente e não para “ganhar carona”, prestígio, oportunidade de promoção etc.  
  16. Compreendo que ser desonesto me rouba energia, sentido do real, valor e qualidade no meu trabalho e que isto é o mesmo que perder em vida é desconstruir o sentido da própria vida?  
  17. Falo sempre a verdade?  Ou exagero e mitigo atenção com lamúrias que não tem a ver com a verdade?  
  18. Copio e colo e atribuo à minha autoria o que encontrei na Internet?  Dou crédito ás fotos e fontes?  Uso de cola na escola?  Digo que participei de um trabalho de grupo quando só assinei?  
  19. Roubo no peso, na validade, no exame médico que solicito e que não é necessário visando apenas lucro?  Interno meus pacientes sem necessidade?  
  20. Trabalho no meu emprego público de verdade ou chego atrasado, pago para outro ir no meu lugar, não me interesso e acabo deixando sobrecarregados outros setores?  
  21. Aceito meus erros sem ficar me justificando?  Corrijo as minhas faltas?  Cumpro com meus deveres para com Deus?  Menti na Confissão para não ficar mal?  
  22. Sou desses distribuidores de críticas que tudo julgam, avaliam, criticam como se de seus veredictos dependesse a paz mundial?  Meu testemunho como cristão é o de um moralista empedernido e antipático ou testemunho a caridade de Cristo com pensamentos compreensivos e amor aos demais?  A honestidade aqui é o estar motivado por valores retos, nobres e não por vaidades ainda que disfarçadas de virtudes.  
  23. Traio a minha fé para pecar com mais facilidade?  Compactuo com ideologias contrárias ao bem humano por oportunismo de emprego, aceitação social, ou sou fiel ao que penso?  
  24. Pego objetos dos meus irmãos sem pedir autorização?  Tenho sempre uma desculpa pela qual justifico os meus abusos em relação aos meus familiares?  Compreendo que me impor aos demais, fazer exigências com chantagens emocionais, abusar financeiramente ou do amor que nos tem os pais e parentes é desonesto?  
  25. Digo que os outros são chatos para não ter que lhes dar atenção ou obedecê-los no que sei que deveria?  
  26. Sou fiel aos meus ideais e valores e leal aos meus compromissos e ao meu cônjuge?  
  27. Há pessoas que só se motivam por estímulos extras: aplausos, glutoneria, alcoolismo, “presentes”.  Compreendo que o honesto é trabalhar intensamente, acrescentando ao que faço as qualidades que tenho sem medi-las conforme interesses oportunistas.  Compreendo que o honesto é ajudar desinteressadamente, que o sentido da vida é servir e não servir-se dos demais?
  28. Porque trabalho?  Para me engrandecer, para procurar a mim mesmo em tudo ou para servir?  Do mesmo modo porque falo, me relaciono, etc.

A Honestidade na Vida em Sociedade

A verdade é que a honestidade vivida cotidianamente é responsável pela qualidade de vida em muitos aspectos. E a honestidade, quando efetivamente modela as relações sociais não só combate a corrupção como melhora as condições de vida de um modo geral, ao melhorar a prestação dos serviços, ao direcionar energia, recursos e talentos para o que realmente é preciso, etc.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "