05 agosto 2017

Boas Maneiras e Categoria Humana: 21 Dicas

  1. Dar-se é mais importante que dar. Por isso que dar atenção, dar tempo, ceder para atender o gosto dos outros em coisas que é possível ceder, não se encostar nos pais, filhos, empregados, etc. é prova de grande categoria humana.
  2. A abertura para aprender é sinal da grandeza de coração. Aprender não só com cursos e não só para alcançar metas de interesse profissionais ou utilitários. Mas aprender com as pessoas cotidianamente e a amar, a servir, a fazer rir. Aprender cotidiaamente, com a observação, os livros, as conversas, as viagens, com a oração. Para isso é preciso controlar o egoísmo que só busca os próprios interesses. É por isso que uma pessoa "culta", cultivada é tão agradável. Como diz Gadamer, cultura tem a mesma raiz que cultivar e para isto é preciso "inclinar-se para recolher". Um coração reto aprende para servir e não para projetar-se na vida em sociedade. 
  3. Ouvir. Aqui isto quer dizer considerar efetivamente o que está sendo dito sem colocar uma barreira prévia para nem saber a respeito. Preferir considerar o que é dito para só depois comentar com caridade é prova de boas maneiras e qualidade humana. 
  4. Uma pessoa de grande qualidade humana não se inventar tarefas desnecessárias preferindo sempre ter conteúdo e profundidade ao excesso de atividades.
  5. Pessoa de grande qualidade humana prefere ser pessoa que escolhe bem os rumos da vida e os alcança, não ficando só nas tentativas, nem nas superficialidades e muito menos na insistência do erro. 
  6. Uma pessoa de grande qualidade humana não ficar remoendo problemas do caminho para acabar esquecendo as metas maiores, a própria felicidade.
  7. A falta de engajamento social ou de interesses além do estritamente pessoal pode demonstrar egoísmo excessivo o que limita muito tudo o que se poderia ser como pessoa. Por isso devemos receber, dar, retribuir, agradecer, participar. Tem gente que só faz uma gentileza, ou o que deveria fazer quando tem algum “motivo”: estudar só para a prova e só de véspera, enviar um cartão ou dar telefonema porque depois vai pedir o carro emprestado, etc. Faça uma boa ação sem esperar retribuição. Participe com assiduidade de ações beneficentes de forma eficiente e desinteresadamente. Isto alarga o coração e a nossa capacidade de ser. 
  8. Para uma pessoa de grande qualidade humana importa mais a intensidade da amizade ou a qualidade do contato entre os amigos do que a extensão e variedade com que ocorrem. A extensão pode – em alguns casos – ser prova de superficialidade. 
  9. Uma pessoa de grande qualidade humana é prudente no trato com os outros. Sempre considera também as intenções para desculpar ou precaver-se quando for o caso. 
  10. Uma pessoa de grande qualidade humana é sempre educada com todos. Devemos criar o hábito do trato cordial e atencioso mesmo quando as situações não são especialmente fáceis ou agradáveis. Não esqueça de oferecer um sorriso, mesmo quando for preciso se negar a um pedido inoportuno. 
  11. Aprenda a divertir-se sem tomar álcool, fazer brincadeiras de mau gosto, dizer grosserias e piadas vulgares, desenvolver interesses mórbidos ou de vulgaridade sexual, palavras trejeitos e modas agressivos porque são expressão da falta de segurança, autodomínio e mau gosto. 
  12. Acostume-se a recolher você mesmo tudo que é subproduto do que você faz: Tomou banho? Seque o que tiver molhado, recolha roupa suja, etc. Recolha seu prato após comer, leve seu lixo para fora, recolha suas roupas do quarto, guarde os livros e os jornais que leu no lugar apropriado, etc. Seja um bom companheiro: apague as luzes caso sua esposa ou esposo já tenham ido dormir. Não acredite que a luz não está incomodando. 
  13. Cumprir suas obrigações é evitar a mediocridade. Mas pode-se ir além. Colabore com o serviço doméstico sem que lhe tenham que pedir. Lave seu próprio copo de água e a louça que encontrou quando foi fazê-lo sem “anunciar” seu “feito” para obter parabéns dos pais.
  14. Não dependa de seus estados de ânimo para fazer o que deve. Faça suas lições e obrigações de casa sem que lhe tenham que pedir, vigiar, mandar ou chantagear.
  15. Procure interessar-se também pelas necessidades pessoais dos seus familiares ao invés de esperar ser sempre servido.
  16. Guarde a crítica gratuita numa gaveta trancada à chave.
  17. Não faça o que sabe que desagrada aos outros, como barulhos, pegar objetos de estimação sem permissão, usar roupas, abrir gavetas, etc.
  18. Jamais pegue o que não é seu. Devolva sempre o troco. Não abra a bolsa dos outros, nem a correspondência em hipótese alguma. Ao encontrar uma porta fechada, bata antes de entrar e espere a resposta para entrar. Quando em casa dos pais não se sirva da geladeira, nem imponha suas necessidades aos idosos. Carregue você a sua cruz.
  19. Respeite os segredos que lhe foram confiados.
  20. Não minta. Faça com que a sua palavra dada seja conhecida como confiável: se disse que ia chegar às 9 horas, chegue, não importa quanto lhe custe, se disse que ia estudar agora, ou lavar a louça, faça isso e no horário prometido. O que fizer de bom faça-o discretamente sem anunciar-se.
  21. Arrume sua cama antes de tomar café.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "