27 julho 2017

Boas Maneiras À Mesa:Giro ou não giro o talher ao final da Refeição?


Giro ou não giro o talher ao final da Refeição? Não gire.

Apesar de algumas pessoas insistirem no movimento dos talheres ( ao lado) de "15:15min" para "18:30min.", ao final das refeições,  para indicar que acabou de comer, ele não é necessário nem desejável.

Quanto mais natural e simples as nossas maneiras melhor.

Portanto, não é necessário girar os talheres. Para indicar ao garçom que já terminou de comer,  basta deixar os talheres  unidos às "15:15min". mesmo.

Quando ainda estamos comendo colocamos a faca no alto do prato e o garfo está sendo usado,  de modo que, estando unidos os talheres, no primeiro ponto que as mãos os unem naturalmente, às "15:15min", é o suficiente para o garçom saber que já acabamos e que ele pode retirar o prato quando for a hora.



Artificialismos supérfluos causam grande confusão e contribuem para as pessoas desistirem de aprender o mínimo necessário de boas maneiras. E o objetivo de toda a regra de boas maneiras é apenas o de facilitar o encontro entre as pessoas e não constrangê-lo. Ou seja, quando uma mesa está bem posta podemos nos envolver melhor com as pessoas ao invés de com o serviço. Do mesmo modo regras artificias causam apenas constrangimentos.

O sábado é para o homem e não o homem para o sábado.

Ótima foto do Casageral´s Blog não é? 
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "