Pesquisar este blog

06 julho 2017

Boas Maneiras à Mesa: Timing Correto

SOBRE O "TIMING" PARA BEM COMPARTILHAR UMA REFEIÇÃO


Se os lugares estiverem marcados, tome o seu lugar somente após o dono da casa tê-lo feito. E, se não há lugar marcado, de todas as maneiras espera-se que o dono da casa lhe indique o que lugar ou convide todos a se sentarem. 
Tempo de Comer
No caso dos amigos em uma pizzaria, não vá se sentando logo. Igualmente espere até que todos se cheguem à mesa e juntos acomodem-se combinando como for mais conveniente a todos. Se tiver liberdade de escolher o seu lugar, não queira sentar-se ao lado da celebridade, mas escolha, de preferência, os últimos lugares, porque é melhor ser convidado a subir do que a descer... 

Cabe ao dono da casa desdobrar o guardanapo e começar a comer primeiro. Mas o anfitrião deve dizer a todos os convidados para começarem a se servirem tão logo se sente. Ou seja, deve “liberar” o início da comida tão logo se sente, ou se ainda for demorar a começar a comer por estar vendo algum detalhe do serviço. Isto é especialmente importante porque às vezes os pratos já estão servidos e podem esfriar se todos esperarem até o último convidado ser servido.

Os convidados também não começam a comer até que o dono da casa tenha indicado para fazê-lo ou começado a comer. Isto é importante não como um “rigorismo” ou uma “reverência” exagerada ao dono da casa, ou anfitrião. Mas como um modo de “formalizar” a partilha que é toda refeição. 

A refeição é um momento de COMUNHÃO, uma partilha entre os presentes e não apenas ocasião de encher o estômago. Se cada um começar a comer por si mesmo não haveria sentido o sentarem-se juntos para comer, para compartilhar o momento, a companhia uns dos outros. 

Em família isso deve ser uma prática diária: esperar por todos para começarem a comer juntos, mesmo havendo a liberalização do início da refeição pela mãe ou pelo pai a que nos referimos acima, em família tem especial importância esse esperar pela mãe que está vendo algum detalhe da cozinha antes de todos começarem a comer. Quem sabe é o idoso que vem mais devagar e o esperar por ele será uma prova de carinho, de deferência, de que nos importamos com ele e talvez a única mostra de consideração que ele receba naquele dia. 

Principalmente nos dias de hoje em que muitos individualistas que preferem seus programas de TV à companhia da família, ou aquelas pessoas que vivem correndo e para as quais qualquer comunhão ou atenção aos outros é um impedimento perturbador dos seus afazeres, a refeição compartilhada com esses pequenos cuidados de boas maneiras e cortesia podem ser um bálsamo de amor humano e meio de construir laços melhores em família. 

E o mesmo devemos observar quando colocamos o guardanapo sobre à mesa ao final da refeição. Há um certo timing ao beber e ao comer porque comemos juntos. Por isso é falta de educação comer "disparado" na frente como se ignorasse os demais até encher o estômago e só depois desse atenção aos demais. 

Do mesmo modo comer muito lentamente como se o mundo tivesse que se curvar ao seu tempo não é um bom timming à mesa. Não se autorize essas descortesias com desculpas como " - Eu sou assim mesmo." É preciso fazer o esforço para ser gentil, para estar com os demais. 

Mas, devemos sempre fazer um esforço para acompanhar os idosos ou portadores de necessidades especiais se eles tem um timing mais longo porque isso é fazer companhia. Ao comemos juntos, dividimos mais do que a comida: dividimos o tempo juntos também. 

E se não o é a cada garfada, é um encontro que exige ao menos nos momentos principais que se compartilhe a presença dos demais na nossa refeição como ao sentarmos todos juntos,(*) brindar, comer juntos a entrada, o prato principal, etc. Todos podemos comer rapidamente um sanduíche em pé no fast food, mas não é a mesma coisa que compartilhar uma refeição com outras pessoas. 

Por isso não seja indiferente ao encontro a ponto de tentar imprimir o seu ritmo "business" à uma refeição em família ou com amigos. Mesmo em almoços de negócios promover esse encontro entre pessoas - que é assegurado exatamente pelos detalhes de cortesia - ganham em profundidade de contato. Experimente. 



(*) NÃO É TANTO UMA QUESTÃO DE SIMETRIA DE MOVIMENTOS, COMO REALMENTE SENTAREM-SE TODOS AO MESMO TEMPO. É ANTES UM RECONHECER A PRESENÇA DO OUTRO. PODE ALGUÉM COMPARTILHAR UMA REFEIÇÃO COM OUTRA PESSOA SE SE SENTA ONDE MELHOR LHE CONVÉM, PEDE O QUE QUER, COME NO TEMPO QUE QUER, ESTÁ PENDENTE SÓ DO QUE LHE INTERESSA E DE COMO VÊ O MOMENTO? CLARO QUE NÃO.ESSA PESSOA COMEU SOZINHA, MESMO QUE AO LADO DE OUTRAS PESSSOAS.

Postagens mais visitadas