21 julho 2017

Boas Maneiras: Intercâmbios


  1. Não deixe de informar à sua família hospedeira suas necessidades de forma clara.
  2. Logo nos primeiros dias procure saber sobre as regras da casa e faça perguntas sobre elas. Por exemplo, hora de chegar à noite, uso do telefone, do banheiro, o que for. 
  3. Participe das refeições e aproveite para aprender sobre os costumes locais. Não deixe de dar uma boa olhada antes nas postagens de boas maneiras à mesa deste blog. (aqui).
  4. Dê presentes bem escolhidos e com mensagens carinhosas em ocasiões especiais como aniversários dos membros da família que lhe hospeda.
  5. Respeite os costumes, os horários e os objetos da casa. É nos pequenos detalhes da vida diária que demonstramos consideração pelos demais: não bata portas, se molhou seque, não coloque copos sobre a mobília sem descanso de copo,  mantenha o banheiro limpo. não deixe roupas ou bolsas na sala, não abra a geladeira sem ter recebido expressa permissão para fazê-lo, etc. (Veja aqui mais sobre higiene pessoal.)
  6. Converse com todos os membros da família ao menos um pouco. Ou seja, não seja grudado com o jovem da sua idade ao mesmo tempo que ignora os idosos presentes. 
  7. Cumprimente a todos ao chegar e ao sair.
  8. Evite ignorar os membros da família por enfiar-se no seu telefone celular. 
  9. Não se envolva com intrigas de família. 
  10. Respeite a privacidade dos membros da família hospedeira evitando entrar no quarto dos adultos, mexer em suas coisas, ouvir suas conversas, etc.
  11. Ajude a família realizando tarefas do lar, mesmo que tenha pago pelo serviço de hospedagem. Não se deixe explorar e lembre-se que deve ter suas coisas em ordem como primeira colaboração. Não adianta lavar uma louça e deixar roupas ou livros espalhados pela casa toda que a família hospedeira terá que recolher.
  12. Evite desperdícios de água, luz e comida. Por consideração à família e pelo meio ambiente. 
  13. Todos sabem que você é um aprendiz dos costumes e do idioma local, não se incomode se cometer erros nessas áreas e saiba rir desses enganos sem se sentir intimidado.
  14. Mantenha-se sempre limpo e bem apresentado e o  seu quarto sempre bem arrumado e logo ao acordar.
  15. Procure superar a timidez e aproveitar todas as oportunidades para aprender e conhecer coisas boas, e somente essas, da nova cultura. Lembre-se o que diz São Josemaría, vergonha só para pecar.
  16. Não seja exigente como uma estrela de cinema no camarim: aceite que nem tudo, nem ninguém é perfeito. Nem sensível que tudo o faça sentir-se ofendido, nem compare tudo com seu país crendo que os outros são sempre inferiores. Isto é tudo perda de tempo e rudeza.
  17. Jamais esqueça de agradecer por tudo: pela comida, por um serviço prestado, por uma gentileza.
  18. Não aceite o que é errado, mas saiba distinguir isso de ser crítico de toda comida, de todo passeio, do espetáculo que assistiu, dos vizinhos, daquele parente, etc. Mantenha seu coração protegido dos venenos dos maus sentimos rezando todos os dias. 
  19. Nós brasileiros somos alegres e amorosos, mas em algumas culturas isto pode ser mal visto. Mantenha uma certa formalidade até que conheça os hábitos da casa. Algumas culturas podem tomar o nosso gosto por tomar banho como ter doença de pele, nosso falar abertamente e com todos como rudeza ou como "dar mole" e nossas roupas informais demais como inapropriadas e por isso sermos discriminados. Na Europa aja com mais formalismo do que em outros lugares e não acredite em 100% em licença para soltar-se.
  20. Nosso maior defeito de boas maneiras é falar alto. A malandragem também. Pensamos que os estrangeiros são até ingênuos tanta fé temos na nossa malícia e nos caminhos tortos da falsa esperteza. Eles percebem a malícia, a nossa e a possível, mas fazem uma opção por viver na verdade. É isto o que os torna desenvolvidos, viver e trabalhar na verdade, sem espertezas. É uma pena que estamos longe de entender que esta é a razão do nosso atraso social e material, afinal longe da verdade não fazemos o que devemos para erradicar a pobreza e despreparo dos Brasileiros.


Obrigado por compartilhar esta postagem. Siga-nos no Twitter
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "