23 dezembro 2015

Boas Maneiras: Você é Humilde?

A virtude da humildade nos dá paz, alegria e muita serenidade interior. Já a soberba e o orgulho não controlados, provocam desde simples inquietações até perseguições imaginárias que podem, com o tempo, prejudicar o desenvolvimento sadio da nossa personalidade. Reconhecemos que estamos sendo soberbos ou excessivamente orgulhosos se:
  1. Estamos demasiadamente preocupados em agradar aos demais, em ser aprovados pelos demais.
  2. Se frequentemente consideramos o que os outros pensam de nós com muita ou preocupação ou carga dramática .
  3. Se estamos sempre pendentes de sermos reconhecidos nos nossos talentos, opiniões e vontades por todos ou em tudo. Vivemos como se tivéssemos que ser o centro das atenções.
  4. Se  sentimos insegurança quando não comentam nem exaltam as pequenas coisas que contamos.  Mas nós raramente nos preocupamos com os demais da mesma maneira.
  5. Também é falta de humildade quando queremos singularizar-nos contando vantagens de forma dissimulada quando por exemplo dizemos: “ – Tirei 9,5. ”
  6. É falta de humildade quando nos tornamos incapazes de reconhecer nossos erros e fraquezas. Quando não somos capazes de ouvir uma reclamação sobre algo que fizemos de errado sem nos indignarmos. Quando é muito difícil pedir desculpas.
  7. Esse voluntarismo egoísta pelo qual tentamos impor nossos gostos de forma pirracenta ou através de chantagens emocionais é também falta de humildade.
Devemos agir para agradar a Deus e não aos outros. É isto o que significa amar a Deus sobre todas as coisas. Deus é o sumo bem, verdade e beleza. Se fazemos tudo para glória de Deus não nos perderemos em falsos sofrimentos de soberba. Agradar a Deus é agradar a Verdade e então nossa intenção será reta, e a melhor possível.
O que Deus gostaria que eu fizesse nesta circunstância? Fazendo esta pergunta facilmente vamos corrigindo a intenção que nos move. E como sabemos, para que um ato seja bom, é preciso que ele não apenas seja bom (ou indiferente), mas também que a intenção que o move seja também boa, reta. Comer é indiferente, mas comer demais por gula é errado.

Devemos ensinar aos filhos a ter Deus como referência maior de vida, de outro modo ele poderá “divinizar” um erro.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "