23 dezembro 2015

Boas Maneiras: Acabar com as Mentiras

Um bom propósito para crescer como pessoa: Acabar com todas as mentiras.  As palavras e as atitudes demonstram nossa sinceridade a todo momento e de que estofo somos feitos.  Palavras genéricas ou vazias, fórmulas estereotipadas e palavras não articuladas com o coração também são insinceridade.

Palavras que transmitem pessimismo, dúvida também vem de um coração que pode ser melhorado pela virtude da sinceridade.  As palavras sinceras constroem coisas boas especialmente na dificuldade.
Não devemos pensar só boas palavras como aquelas que são referentes a coisas alegres dos bons momentos. A sinceridade nos faz ver, aceitar e enfrentar as coisas como elas são o que já começa a dar uma melhor conotação ao que estiver acontecendo.
Sinceridade não é falar de tudo que nos vem à cabeça mas do tesouro que nos vem do coração.  Sinceridade é contar toda a verdade sem distorcer.  Quantas mentiras não são provocadas por um coração vaidoso dizendo o que gostaria de ser mas não é.
Podemos estar fazendo as coisas por vaidade, por inveja, por competição, por sensualidade, por vício, por tirania ou para ter o poder sobre outras pessoas.  Ou seja o motor de nossos atos é o vício e não a virtude.  A pessoa veraz escolhe agir por virtude.  Que frutos eu vou colher a partir do que faço?  A prática do bem ou mais vício?
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "