17 agosto 2015

Boas Maneiras para Homens: 13a. de 100 Dicas

Boas Maneiras para Homens: 13a. de 100 Dicas: Não seja esnobe. 


É falta de boas maneiras presumir-se melhor do que os outros. Fazer isto não atesta superioridade,
mas, ao contrário, é prova de vulgaridade. Qualquer um pode presumir-se superior pelos motivos mais tolos, isso é muito vulgar. Além de prova de vulgaridade o esnobismo é sempre desrespeito humano.

Na verdade, a pessoa de boas maneiras cultiva a humildade. O homem educado não esnoba, antes procurar servir aos demais movido por valores elevados. O homem que tem valor não precisa testar-se com cada um que encontra, estabelecendo quem é mais.

Jamais use dessas artimanhas para diminuir os outros como exigir reconhecimentos, ostentar riquezas, conhecimento ou títulos, desprezar arrogantemente ideias e serviços dos outros, tomar como devido o trabalho e a atenção dos outros,  corrigir com modos bruscos, nunca agradecer, etc. Não devemos cultivar nem pensamentos, nem atitudes snobes. 

E atenção! Esta é uma falta muito comum entre pessoas com cargos, títulos ou dinheiro!  Só porque se tem um título universitário ou honorífico isso não quer dizer que já somos muito bem educados. Sempre podemos melhorar. Faça um bom exame com este livro para conhecer como são realmente os seus modos. Está cheio de gente em cargos importantes extremamente mal educada. Você deve conhecer algumas. 


Como a nossa sociedade não assegura, de fato,  o mesmo direito para todos os cidadãos, a corrida por ser "doutor" ou "madame" e sair da exclusão tem justificado, ao longo dos séculos da nossa história, desde atitudes elististas de esnobação, até a corrupção. Por isso seria muito importante que todos os brasileiros não usassem de elitismos como forma de "inclusão". Porque com esta atitude de esnobar para se distinguir, estão reforçando esse ranço escravista tão danoso de contar com a "distinção" por aparência para sair da exclusão. Antes é necessário lutar por um país mais justo para todos. Nem esnobar e nem se sentir humilhado só porque mora em comunidade, porque não concluiu os estudos, porque não tem carro do ano, etc. Saber o próprio valor e não compactuar com nenhuma forma de corrupção é o que nos tirará, a todos, da exclusão. 

Boas Maneiras para Homens: 13a. de 100 Dicas: A outra Face da Mesma Moeda


Como a outra face de uma mesma moeda encontramos a pessoa servil, anulada, facilmente manipulavel, insegura e permanentemente pendente de aprovação externa. É preciso cultivar uma saudável autoestima e critérios de vida que nos deixem seguros do nosso valor. Mas isto é tema para outro dos 100 pontos de boas maneiras para os homens.

Uma Histórinha "Exemplar" sobre Falta de Boas Maneiras e Esnobismo. 


Uma vez ouvi uma história exemplar sobre a vulgaridade do esnobismo. Mudou-se para o prédio um
jovem juiz. Vaidoso de sua conquista como toda burguesia carreirista, não tem o cargo para cumprir com valor um dever elevado, mas pelas vantagens pessoais. E como toda pessoa sem qualidade real, era uma pessoa muito pomposa, vaidosa. De todos esperava - visivelmente - vênias e salamaleques. 

Alguns políticos e funcionários públicos, também vivem nesse mundo onde só contam os que lhes incensam ou os que podem levá-los adiante na sua farsa de colecionar "importâncias" sem valor. 

Sendo o serviço que prestam um incômodo ao seus interesses pessoais, essas repartições e pessoas tratam muito mal as pessoas que deveriam servir. Prova do nosso atraso está assim nas "elites" que ao invés de rumar para o mais alto, prestando um serviço de excelência para o mais humilde dos cidadãos, se elevando como Deus que se fez servo para ajudar os homens, prostituem seu trabalho por bagatelas e desonram a si mesmos. 

Como primeira providência, o novo morador mandou chamar os faxineiros e  porteiros do prédio para exigir que o chamassem de "excelência". Alguns dos faxineiros tinham mais de 20 anos de casa, alguns eram extremamente humildes. Poucas coisas podem ser mais horríveis e vergonhosas no relacionamento entre níveis hierárquicos diferentes que o esnobismo. Que ridículo!  Claro que pelas costas o apelido desse morador é "excelência". Esta história dava uma marchinha de carnaval.



Que eu quero passar

Eu sou doutor
Eu quero anunciar
Eu sou doutor
Eu quero anunciar


Então esta é a 13a. de 100 Dicas para Homens, ( vale para mulheres também e certamente estará na série 100 Dicas de Boas Maneiras para as mulheres). Não aja como se fosse superior aos outros. Não acredite nos seus ímpetos de vaidade, porque mais provavelmente são arrobos de arrogância e o mau cheiro dos preconceitos não conscientes.


Já tivemos a notícia de um juiz que matou um funcionário de uma loja que não quis lhe abrir a porta porque a loja estava fechada. É preciso combater essa cultura da exclusão que reitera esnobismos como forma de distinção porque são oriundos de uma sociedade de extrema exclusão que foi a escravista.

Toda vez que queremos nos distinguir porque moramos na "zona sul" ou porque o nosso carrinho de compras está maior que o da vizinha legitimamos a exclusão social. Esperamos que através dos esnobisbos sejamos aceitos na sociedade não escrava. Ora isso é repetir o valor da exclusão. Enquanto fingimos que estudamos, que ensinamos que lideramos correndo apenas atrás de distinções carreiristas, manteremos o país injusto. Temos todos direitos e deveres. Vamos promover, na vida diária, a cultura do respeito fraterno.

Clara " - Aí vem a senhorita Smith, devemos falar com ela?"
Amélia -" Não querida, mamãe disse que ela não pode ser uma "lady" porque ela usa vestidos "stuff"? (No contexto histórico, vestidos que não são de seda.)





"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "