10 março 2015

Boas Maneiras: A que Horas Usar Qual Roupa?


As regras de etiqueta já foram mais rígidas. Mas, mesmo hoje, quando predomina uma forte informalidade, é muito útil conhecer o que diz a regra de etiqueta sobre que roupa usar onde e a que horas, não só para saber objetivamente o que utilizar numa determinada ocasião, mas também nos ajuda a construir um guarda-roupa apropriado para as nossas necessidades cotidianas. Veja abaixo que o modo de se vestir "cresce" em sofisticação da manhã para a noite.

Por isso, e pensando na sua vida social, leia esta postagem para pensar e recriar ou adaptar o seu guarda-roupa para estar sempre bem arrumada na vida em sociedade. Não é uma questão de complicar, de ter regras, mas ao contrário, de simplificar a vida cotidiana, porque afinal, "quanto mais você souber, menos você vai precisar."

Pela manhã os trajes são sempre o mais simples possível, o sapato de salto mais baixo, a bolsa é esportiva, os adereços mantidos no mínimo possível. Provavelmente sua calça comprida ou saia favorita com blusa. Ser simples não quer dizer "relaxada" de qualquer jeito. Quer dizer com menos produção. Mas bem penteada, limpa, apenas mais informal. É importante que esta simplicidade considere a idade.

Moças muito jovens ficam bem em seus jeans e camisetas brancas, mas senhoras de mais de 40 anos, com seus cabelos tingidos desbotados, com batons vermelhos foscos e mal aplicados, vestidas em camisetas e calças de justas lycra, de ginástica, porque são as únicas que as deixam magras não estão bem vestidas para a manhã.

Do mesmo modo senhoras com sapatos "lanchas", em conjuntos de malhas ordinários de malha com pochete na cintura também não estão bem vestidas para a manhã. Informalidade matutina não quer dizer feiura nem relaxamento. Muito menos quer dizer vulgaridade de roupas muito curtas, apertadas ou decotadas. Isso é vulgaridade em qualquer idade. Por isso não vamos confundir o frescor da roupa matutina com a roupa do dia de limpar a garagem ou lavar o carro. Não saia para o mercado para comprar pão desalinhada. Em todas as situações da vida em sociedade devemos estar apresentáveis.

Para irmos à Santa Missa, o almoço fora ou no clube podemos usar o famoso "esporte fino" que são vestidos de cortes simples e esportivos. Ou saias e blusas, vestidos em cortes simples e esportivos, saia e blusa, chemisier, conjuntos sem grandes detalhes, saias compridas em algodão mas, tudo em bom tecido. Os sapatos e bolsa será também em esporte fino, ou seja as bolsas são um pouco menores e os saltos mais altos mas não do tipo agulha.

À tarde e à noite o traje pode ser mais requintado, que fica entre o esporte fino e o habillé, ou então ser permitido os brilhos e os tecidos transparentes para as que frequentam reuniões sociais, tudo o que há de melhor e mais fino e mais rico. Se pode seguir um pouco mais a moda nos detalhes para personalizar e atualizar um guarda-roupa clássico.

Para o "chá das cinco", o tailleur e o chemisier ainda é o mais fino. Um clipe de brilhante ou uma flor de pedra preciosa completa o traje. A bolsa e sapato devem ser de cromo ou camurça.

Para viagem o terninho é o preferido. Para o campo a calça comprida, blusões, etc... Os shorts, nunca muito curtos, os maiôs, as saias, saídas, biquínis, as bolsas grandes de palha, chapéus, sandálias, lenços, são preferidos para a praia.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "