25 fevereiro 2015

Boas Maneiras e Ética Intelectual


  1. Não roubar, plagiar ou reivindicar as idéias e os resultados de outros como próprios.
  2. Sempre dar os créditos devidos: tanto a autoria de textos como de idéias e as fontes utilizadas sempre as indicando de forma correta.
  3. Não colar na prova.
  4. Em trabalhos de grupo não colocar o nome de pessoas que não escreveram o trabalho como autoras. Porque não? Porque é uma mentira e pessoas corretas não mentem nunca, sobre nada. Porque assim sua palavra vale o que diz, é verdadeira e se pode confiar nela. Se cede em algumas coisas por lhe parecerem " sem importância" ou por camaradagem, ou para ajudar, sua palavra não é firme o bastante para resistir em coisas mais importantes já que cede só para "ficar bem" com os outros.
  5. Não mentir nunca e portanto não adulterar informações das fontes ou inventar ou alterar leis, normas e resultados.Não destruir fontes, nem dados. 
  6. Não ser superficial na abordagem de um assunto. Buscar sempre saber a fundo do que se fala, ao menos com o melhor do que se pode. 
  7. Não apresentar dados incompletos e imprecisos.
  8. Não encobrir objeções que não se consegue refutar, ou o que é do interesse da outra parte do diálogo saber como cláusulas lesivas de contratos.
  9. Não ridicularizar os que tem pontos de vistas contrários aos nossos, nem apresentar esses pontos de vistas de um modo em que seus autores os rejeitariam. O que interessa é a verdade e quem falseia para projetar-se utilizando-se de mentiras na verdade corrompe-se.
  10. Não assine presenças pelos outros e muito menos falsifique assinaturas. Se você assinar por alguém e nesse tempo da aula esse alguém cometer um crime e foi você que assinou por ele a presença você será cúmplice de assassinato.
  11. Leia os manuais de instruções, as regras e conheça todas as suas obrigações. Cumpra pontualmente suas obrigações financeiras e as obrigações sociais e de sua competência na escola sem atrasos e desculpas. Seja professor ou aluno.

Fonte: Aulas de Formação Humana no Opus Dei
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "