05 setembro 2014

Boas Maneiras nas Apresentações Sociais Cotidianas


Básico sobre Boas Maneiras na Hora das Apresentações Sociais

  1. "Todos" os envolvidos numa apresentação devem colaborar para que das primeiras frases da apresentação se passe para uma conversa cordial. Isto não quer dizer fazer muitas perguntas. 
  2. Sempre devemos responder sobre o que se disse e não responder com algo sobre nós mesmos, ou nossa opinião, mas falar sobre o que foi dito. Ou seja, sair de si mesmo em direção ao outro.
  3. Não são boas apresentações as piadas, as pequenas gozações pelas quais se excede em frivolidade na esperança de parecer simpático. Estas atitudes têm o efeito contrário e criam constrangimentos de todos os tipos.
  4. Também não se apresentam as pessoas informando um currículo inteiro de quem se está apresentando. O objetivo de um comentário extra além do nome é ajudar a criar assuntos em comum e não incitar indiscrições ou constrangimentos.
  5. Também se evita destacar aspectos da "celebridade" que está sendo apresentada. Simplicidade e naturalidade.
  6. Ignorar uma apresentação ou julgar a outra pessoa "menor" ou menos digna de sua atenção não é senão cafona, mas vulgar arrogância. 
  7. Falar com todos e bem é a suprema graça. 
  8. Não é preciso procurar ser íntimo ou mesmo buscar desenvolver profunda amizade a quem nos foi apresentado socialmente  se não se tem afinidade. Mas, socialmente, é oportuno manter uma boa conversa com quem quer que seja. 
  9. Não divida problemas íntimos com estranhos em conversas sociais. Também dizer coisas íntimas para iniciar conversas ou para justificar sua saída não é apropriado. " - Já venho pessoal tenho que fazer xixi..."ou " - Estou com uma cólica danada." 
  10. A pessoa nobre e gentil conversa com grandeza de alma, com profundo respeito por tudo que existe, mesmo que não se esteja muito bem de saúde ou no humor para isso.Há muita cortesia em superar-se pelo bem do próximo. 
  11. Podemos apresentar duas pessoas que pensamos que já se conhecem dizendo-lhes “ – Izilda, tenho a impressão de que você já conhece a Cida, não é? 
  12. Quem apresenta deve fazê-lo de maneira clara, se possível, acrescentar uma observação que qualifique os apresentados para facilitar um rápido entendimento. Isto, porém, não quer dizer colocar uma “etiqueta” na pessoa que estamos apresentando: “ – João, posso lhe apresentar ao Pedro, ele “adora” vídeo-game.” A apresentação deve antes ampla como uma experiência como: “ – João, deixe-me apresentá-lo ao Pedro, ele acaba de chegar de viagem. Foi conhecer aquele país em que você esteve ano passado.”
  13. E é a pessoa mais qualificada é que diz primeiro “Como vai?” e lhe estende a mão para um cumprimento. Se não o fizer a pessoa mais jovem ou abaixo na escala hierárquica cumprimenta com um aceno da cabeça e um sorriso, mas não estende a mão. Para pessoas do mesmo nível hierárquico não faz diferença a ordem de apresentação.
  14. ATENÇÃO: O homem deve ser sempre apresentado à mulher, mesmo que ela seja uma pessoa muito jovem. As exceções são quando a mulher é apresentada a um sacerdote, presidente ou rei. Ou seja, uma mulher nunca é apresentada a um homem, sempre o homem é apresentado à mulher com exceção do sacerdote, rei ou presidente. 
  15. Ao entrarmos numa sala onde estão diversas pessoas devemos cumprimentar com a cabeça os desconhecidos e apertar as mãos dos que já nos foram apresentados.
  16. “ A apresentação pode ser só de nomes: “ – Senhor Almeida, Dona Anna.” A inflexão da voz dará o efeito de apresentação. Mas se o homem for especialmente distinto pode-se preferir “ – Senhor Almeida, minha filha Anna.” Se a filha for casada prefere-se “ Senhor Almeida, minha filha a senhora Ferreira.” ( termo senhora é para ser usado com o sobrenome e não com o prenome).
  17. Médicos, militares, clero e juízes são apresentados com seus títulos: doutor, juiz, Bispo, Padre, etc. Embaixadores e senadores conservam essa titulação nas apresentações mesmo que tenham deixado de ocupar essa posição. Mudam apenas se passarem para um cargo mais alto, que passa então a ser empregado. 
  18. Uma senhora sentada só se levanta para pessoa altamente graduada, senhora idosa ou um membro do clero.
  19. Apresenta-se o marido ou esposa sem títulos mas acusa-se o grau de parentesco. “ - Pedro, quero que conheça meu marido Antônio Almeida.” Nunca “ – sr. Antônio ou dr. Antônio.
  20. Uma criança sempre utiliza o título para dirigir-se a quem foi apresentado." - Sr. Antônio, Padre Pedro e não Pedro ou Antonio.
  21. Quando um jovem é apresentado a uma pessoa mais velha ou de mais alto nível hierárquico é mais polido incluir o título : senhor, senhora. “ Pedrinho, venha conhecer a senhora Anna.”
  22. Ao dirigi-se à pessoa de cerimônia usar a expressão “senhor” “senhora” até que ela lhe diga para tratar pelo pré-nome. Se nunca o fizer mantenha o tratamento cerimonioso.
  23. Caso seja você a pessoa de cargo superior só peça para tratar-lhe por “você” se deseja estabelecer amizade mais próxima. Se não sabe ainda, por não conhecê-la se deseja estabelecer relações além das sociais não se sinta obrigado a informalizar a relação.
  24. Deve-se evitar telefonar para a autoridade se ela não nos disse para fazê-lo expressamente ou não exista uma razão de trabalho ou forte para fazê-lo.
  25. As pessoas mais formais se receberão de pé pelos homens. As mulheres só se levantam se for uma autoridade eclesiástica ou na presença de uma senhora muito idosa.
  26. Uma convidada a uma festa ou espetáculo deverá apresentar, à anfitriã, todas as pessoas que vierem cumprimentá-la.
  27. Apresenta-se cada pessoa em particular a um hóspede de honra.
  28. Quando pedimos convite para obsequiar pessoa amiga, é nosso dever apresentá-la à dona da casa assim que chegarmos à festa. Ao que a dona da casa responde a quem foi apresentado: “Prazer em tê-lo entre nós.”
  29. No caso de apresentarmos, a uma celebridade, alguma pessoa não mencionamos o título ou a razão da sua celebridade. Ou seja não dizemos "famosa cantora", ilustre ganhador do prêmio Nobel. Dizemos o nome da celebridade na suposição de que já seja conhecida e somente apresentamos o nome da pessoa que estamos apresentada à celebridade.
  30. Nas festas muito movimentadas basta apresentar o recém-chegado às pessoas mais próximas.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "