15 setembro 2014

Boas Maneiras e os Nascimentos

Boas Maneiras e os Nascimentos

  1. Avós, parentes e amigos próximos comunicam o nascimento aos amigos informando a hora do nascimento, semelhança, cor do cabelo, parecença com o pai ou a mãe, conforme o grau de intimidade seja maior ou menor. Desse modo espera-se facilitar a manifestação dos amigos sobre o acontecimento. 
  2. Hoje as tecnologias permitem colocar a foto do recém-nascido na Internet ainda na maternidade. Mas ainda assim é preciso COMUNICAR o nascimento aos amigos. E o ideal é que não seja de forma "tá lá, se quiser ver vá lá." É antes o comunicado de uma grande alegria e, portanto, o aviso deve ser dado aos amigos e parentes com um tom mais pessoal. 
  3. No caso dos amigos íntimos e dos parentes deve-se uma visita a mãe e ao bebe assim que se for comunicado do nascimento do bebê. Se possível, os parentes e os amigos próximos devem visitar a mãe ainda na maternidade. Hoje com a facilidade de comunicação em massa, nem todas as pessoas comunicadas tem o dever de visitar. É o grau de parentesco e proximidade que exige a visita. 
  4. Mas todos os amigos DEVEM responder ao comunicado do nascimento com votos de felicidades para a família. E sempre de forma pessoal, expressando alegria e satisfação pelo nascimento do bebê. E expressando votos de muitas felicidades para o bebê é sempre necessário. Esta nota jamais pode ser superficial, pró-forma, nem utilizar lugares-comuns, frases feitas e piegas. Simplicidade e sinceridade são tudo o que se precisa para redigir esta mensagem. 
  5. Podem ser enviadas flores, revistas, doces ou bombons para a mãe e/ou presente para o bebê. 
  6. Os presentes para o bebê podem ser objetos úteis, mas podem ser também presentes mais finos, escolhidos só por causa da sua beleza, ou arte. 

Boas Maneiras e os Presente por ocasião dos Nascimentos

Os melhores presentes para os recém-nascidos são os clássicos:

  1. Os parentes ou amigos mais próximos podem dar uma correntinha de ouro que será usada com a medalhinha do santo padroeiro. Outra pessoa pode dar a medalha do santo padroeiro da criança ou a imagem de Nossa Senhora a qual a criança será consagrada, em ouro. 
  2. Existem pratos especiais para o bebê que costumam ser em prata e vem com a colherzinha também de prata. 
  3. Peças que completam o enxoval do bebê como babador, chocalho, casaquinho. 
  4. Peças de decoração para o quarto do bebê como anjinhos também são clássicos. Os álbuns bonitos, os porta-retratos digitais são importantes também. 
  5. Também podem ser dados objetos de banho para a criança como sabonetes especiais, bolsas, etc. 
  6. Os presentes são mais para o bebê, mas conforme o grau de amizade e proximidade, quando ainda na maternidade podem ser envidas flores para a mãe. 

Visando a praticidade, algumas pessoas parecem reduzir toda a vida em sociedade a buscar comodidade. E assim a celebração dos nascimentos ficou submetida aos ditames da comodidade sob as vestes da "praticidade". Agora bebê recém-nascido só recebe pacote de fraldas. 

Faze-se festa de fraldas, recebem a visita do entregador da farmácia com mais fraldas. Reduziram-se todos os presentes a uma questão de quantos pacotes de fraldas deverão ser conseguidos a custa dos amigos para evitar-se os trabalhos e os gastos. 


Ora é preciso não perder o foco do que é relevante: estamos comemorando a vida e não a comodidade dos pais. Por isso, por mais que parece um mandato da praticidade só querer receber fraldas descartáveis, veja lá se não é melhor deixar todos participarem da vida da criança como uma pessoa, desde o nascimento, e não como uma tarefa, mais ou menos prática de se resolver. 

Deixe os seus parentes e amigos participarem da discussão sobre a consagração a qual santo, a receberem seu filho com presentes significativos não só pelo valor se for o caso, mas também pensando neles com anjos, para o quarto e compartilhando cores, gostos e essas coisas que vão inserindo a nova vida na vida em sociedade a qual ele pertence desde que se nasce. 

Os vínculos que ser formarão, desde o nascimento hão de ser mais amplos e humanos que a mera praticidade. É preciso celebrar a vida!
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "