06 setembro 2014

Boas Maneiras e a Oração na Hora das Refeições

Orações às refeições

À mesa, as orações são preferencialmente ditas de pé ao invés de sentadas. Normalmente atrás das cadeiras. Mas se forem rezadas sentados as mãos podem estar entrecruzadas em posição de oração e as cabeças baixas.

O anfitrião deve avisar aos convidados quando estes se dirigem à sala de refeições que costumam fazer uma prece antes das refeições de modo a evitar que os convidados sentem-se, peguem o guardanapo ou sejam pegos desprevenidos com brincadeiras ou informalidade não condicente com o momento da prece.

Da nossa postura frente a Cristo é que nasce o louvor que lhe prestamos no Natal.

  1. Cantar é louvar. Coloque as músicas de Natal em família para educar e preparar a família para o Natal.
  2. Louvar também com as orações vocais. O tempo do Natal é uma boa época para rezar melhor o teço contemplando os mistérios com mais atenção.

Na Ceia de Natal

A ceia do Natal deve ser sempre precedida de uma prece que deverá ser feita preferencialmente de pé, em volta da mesa e talvez as pessoas queiram se dar às mãos. Se for feita uma pequena “cerimônia” antes da ceia, com várias pessoas fazendo os agradecimentos a Deus e os seus respectivos votos, a oração de mãos dadas pode ser seguida do cumprimento fraterno. Nos agradecimentos de Natal que podem incluir referências a fatos familiares não devemos esquecer o agradecimento especial pelas refeições que vão começar.


A ceia pode seguir-se sem a oração cotidiana das refeições. Devemos ser muito próprios nessas orações sem nos excedermos em qualquer aspecto afinal a qualidade da oração vem do amor ou da sinceridade com que é feita e não pelo sentimentalismo ou excesso de sisudez na oração. Dar chance também às crianças e aos mais velhos de se manifestar.

Quando há um sacerdote presente devemos pedir que ele faça as orações.

Não devemos convidar para fazer as preces alguém a quem antes não tenhamos perguntado se pode fazê-las.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "