16 setembro 2014

Boas Maneiras e Nós Mesmos

A pessoa de boa educação é moderada e educada também quando está só porque de outro modo seria uma pessoa falsa. 

Se quando estamos sozinhos nos permitimos falar palavrão, ser desordenados, luxuriosos, por exemplo, acabaríamos contraindo esses hábitos. Todas as faltas de educação depõe contra nós, embora nem sempre as percebamos. Por isso é preciso um contínuo de processo de auto-conhecimento e melhoria pessoal. 

A pessoa que pratica esse decoro inclusive quando está só, não só cresce em qualidade humana como desenvolve um respeito próprio que mais facilmente se projeta sobre os demais que passam a tratá-la de forma igualmente cortês. 

Num mundo onde há muita falta de respeito pelas mulheres, crianças, grupos discriminados por razões de raça, credo, etc., é muito importante saber portar-se de tal forma que exija respeito aos demais. Esse comportamento decoroso, mesmo mesmo quando se está só, deve ser por virtude real por um sentimento de dignidade própria, decorrente de sua consciência de ser filho de Deus e não para agradar a alguém ou parecer "nobre", "bacana", etc. 

Não é verdade que você esteja em algum momento só, Deus está sempre com você e só a Ele devemos agradar e servir de forma essencial, de forma que nos modele, porque Deus é amor e configurar-se no seu querer é realizar o melhor de nós mesmos.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "