02 agosto 2014

Elegância Masculina para Trabalhar

Como os Homens devem se vestir no Trabalho

  1. O homem brasileiro precisa vestir-se melhor. Dar mais atenção à própria apresentação pessoal. Não só no trabalho como nas horas de lazer social também. Uma pessoa educada sempre está limpa e  bem vestida. É preciso aprender a se vestir com muito bom gosto e não apenas com aquilo que é mais barato, ou mesmo muito caro, ou o mais prático ou aquilo colhido sem sentido do armário. 
  2. Sapatos engraxados, roupas limpas e passadas, sem manchas, rasgos ou falta de botões, é um mandamento básico.
  3. Quanto mais alto o nível hierárquico mais conservador deve ser a forma de se apresentar no trabalho.Para ambientes formais o terno, de preferência escuro. Este é um recurso básico, e sempre com gravata. 
  4. Camisas sempre de mangas compridas. Evite as camisas de colarinhos de outra cor.
  5. Para um look sempre clássico, prefira os ternos de cores clássicas sem detalhes de duas cores e as gravatas listradas na diagonal, com camisas de uma só cor.
  6. Cintos de fivelas discretas. Sapatos clássicos e meias escuras. 
  7. O punho deve ultrapassar a ponta da manga do paletó cerca de 1 a 1,5 cm, ficando cobertos os botões da manga da camisa.
  8. Os jeans só podem ser usados em trabalhos muito informais ou quando o trabalho exija roupa mais resistente. 
  9. Não se usa meias claras ou brancas com sapatos escuros. Prefira meias de cano mais alto de modo que quando você se sente não apareça parte da perna. 
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "