31 agosto 2014

Educação: O que Fazer Antes de Criticar os Outros?

O Catecismo da Igreja Católica nos lembra que: “Toda falta cometida contra a justiça e a verdade impõe o dever de reparação, mesmo que o seu autor tenha sido perdoado. 

Quando se torna impossível reparar um erro publicamente, deve-se fazê-lo secretamente; se aquele que sofreu o prejuízo não pode ser diretamente indenizado, deve-se dar-lhe satisfação moralmente, em nome da caridade. 

Esse dever de reparação se refere também às faltas cometidas contra a reputação de alguém. Essa reparação, moral e às vezes material, será avaliada na proporção do dano causado e obriga em consciência.” Se divulgamos os defeitos alheios, a reparação precisa ser feita gravemente. 

Pontos Práticos


  1. Um bom propósito de caridade para esta semana: Falar bem de todas as pessoas de quem falamos mal (pelo menos nos últimos meses e semanas). Assim reparamos nossos pecados. Seremos críticos construtivos, construtores da bondade. 
  2. Prefira uma esclarecedora e boa conversa ao invés de crítica ácida ou explosão impaciente quando esbarrar com o erro de alguém. 
  3. Dê exemplo de virtude em coisas simples e cotidianamente. Por exemplo, tente arrumar sua bolsa antes de criticar a desordem do quarto de seu filho. 
  4. Tente ler durante 15 minutos um livro espiritual, antes de mandar os filhos estudarem. 
  5. Tente ser simples, amável sincera, forte na dor e na doença, perseverante nos compromissos antes de criticar as outras pessoas por serem fracas ou deprimidas, por exemplo. 
  6. Olhar para o modo de ser das pessoas com caridade, com o olhar limpo de rancores e vícios pessoais, porque quem vê bem, julga bem. 
  7. Olhar o vínculo que une todas as pessoas: diante de Deus todos nós somos iguais, valemos o mesmo. Por isso, entre pessoas iguais deve existir TOLERÂNCIA para haver correções amáveis, sem cair na irritação ou na condescendência mole. Temos que amar a diversidade e viver a tolerância na convivência com os outros. A diversidade é querida por Deus, não devemos julgar a atitude do outro como errada previamente só por que é diferente da que nós faríamos. 
  8. Tentemos melhorar, em nosso comportamento, aquilo que criticamos nas outras pessoas. Aí veremos como custa arrancar um defeito, como custa estar sempre alegre. Assim, nossa crítica será construtiva porque teremos a vivência do esforço. Deus abençoará nosso esforço e fará com que as pessoas melhorem, sem que digamos nada, só pelo nosso exemplo. 
A felicidade (Aristóteles – A ética a Nicômaco) é uma atividade da alma. Não é um conhecimento qualquer. Ela se desdobra num duplo olhar: 

Olhar bem para os outros 
Olhar esperançoso para o futuro. 

"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "