08 julho 2014

Dicas de Boas Maneiras para Corrigir os Demais


O termo ‘beleza’ deriva do latim ‘belus’= bonito, que deriva de ‘bonus’= bom. Assim se entende perfeitamente que a verdadeira beleza é a bondade.

A pessoa boa irradia beleza, luminosidade. Vencer o mal com o bem é um traço de Jesus Cristo. Os primeiros cristãos tinham a mesma preocupação. “Não te deixes vencer pelo mal. Mas vence o mal com o bem”. “Não nos cansemos de fazer o bem, com o tempo colheremos”. (S. Paulo) “Irmãos, não faleis mal um do outro. Quem és tu que julgas o próximo. Aquele que conhece o bem que deve fazer e não faz peca”. (S. Paulo para S. Tiago)

Devemos ser construtores da beleza e da bondade do mundo. Devemos ser arquitetos de um ambiente familiar, de trabalho e da vida em sociedade onde haja a palavra animadora, o belo, mas também há a necessidade da conversa esclarecedora, da correção fraterna. Buscar o belo e o bom passa por corrigir o que não está belo, bom, mas é preciso fazer isto com educação e boas maneiras.

Criticar negativamente, murmurar, é fácil. Falar bem, fazer crítica construtiva, isso é valioso, isso é ser cristão. Deus não nos dispensa disso. Nossas palavras podem embelezar o mundo. Mas devemos saber fazer uma crítica construtiva. 

Alguns Pontos Práticos para Fazer a Correção Fraterna com Caridade 

  1. Ao corrigir, quando necessário, devemos ter a intenção de ajudar a pessoa a ser melhor e não apenas criticar ou reclamar. 
  2. Toda crítica que é construtiva passa por aceitar que as pessoas levam um tempo para ganhar consciência dos seus erros. Devemos dar um tempo para que a pessoa caia em si sem desanimar de seu progresso.  
  3. Depois de um tempo de tolerância faz-se a crítica construtiva Mas sempre com boas maneiras. Onde há piadinhas sobre o erro alheio não há crítica construtiva.
  4. A correção faz-se sobre ERROS OBJETIVOS e não sobre conjecturas ou especulações fruto de raivas, receios, psicologia de achismo, etc. 
  5. A ironia e a impaciência na hora da correção fraterna são grosserias. É com mansidão, delicadeza, salvaguardando a honra da pessoa, sem contar a ninguém sobre os erros cometidos que se faz uma boa correção fraterna.
  6. Elogie primeiro e depois corrija.
  7. E lembre-se sempre de focar o seu comentário no que é bom, na meta a alcançar, nas qualidades que a pessoa tem e não na crítica pela crítica. A correção se torna assim um bem, uma correção de um desvio num caminho bom. 
  8. Jamais critique " - Você não presta para nada mesmo não é?", Jamais. O erro é sobre algo concreto, não sobre a pessoa. Portanto é melhor uma correção assim: " - Você é muito esperto e empenhado, mas tem que segurar as ferramentas desta maneira. Se insistir em fazer desse modo não alcançará sua meta."
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "