27 julho 2014

Apresentações Sociais e Boas Maneiras

Apresentações

Quando se vai apresentar duas pessoas, sempre se apresenta a menos importante à mais importante

  1. Sempre se apresenta o homem à mulher.
  2. Sempre se apresenta o jovem ao velho.
  3. Na hora da apresentação deve-se dizer o nome completo da pessoa apresentada.
  4. É preferível dizer " - Como vai.", ou mesmo um " - Olá." do que fórmulas em desuso como " - Muito prazer." porque elas parecem já vazias.
  5. Sempre se responde a um cumprimento com um sorriso e cortesia. Não se julga se vai ou não responder com cortesia como fazem alguns brasileiros que parece que primeiro tem que "aprovar" a pessoa para aí e só se aí, e se ele estiver de bom humor, ele tratar bem a pessoa. Nós aprovamos objetos, produtos para comprar, não pessoas. A formalidade é o meio de evitar os excessos e a proximidade com quem não se deseja ter maior contado, não a grosseria ao cumprimentar.
  6. A mulher só se levanta para cumprimentar alguém se for senhor muito idosa, chefe de estado ou sacerdote.
  7. Em uma roda com muitas pessoas não é preciso dar a mão para todos 

Restaurantes

  1. Se for apresentada a alguém que esteja sentado almoçando não lhe estenda a mão para cumprimentar basta um sorriso e um aceno com a cabeça. É uma questão de higiene.
  2. Os homens devem sempre se levantar quando as mulheres chegam à mesa. Era costume que eles se levantassem caso ela se retirasse e quando ela retornava. Agora é suficiente ao chegarem.
  3. Os homens também se levantam quando chegam outras pessoas para cumprimentá-las e bem recebê-las.
  4. O homem entra na frente no cinema, restaurante e teatro porque vai providenciar o lugar, ajudar a acomodar, indicar. 

Se gostou envie esta postagem para sua rede social.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "