24 maio 2014

Boas Maneiras e os Cadeirantes

Para cumprimentar um usuário de cadeira de rodas, um cadeirante como se diz, estenda sempre a mão como faria com qualquer pessoa, a menos que veja que ele não tem o movimento do braço.

De um modo geral todos têm uma forma de retribuir um aperto de mão. Não toque no ombro, nem dê tapinhas, nem mexa com a cadeira de rodas.

Controle o seu nervosismo se você é desses que expressam a falta de jeito com excessos de simpatia, movimentos, etc.

Quando conversar com alguém na cadeira de rodas, procure sentar-se o mais rapidamente possível para conversar no mesmo nível que ele. Lembre-se que a cadeira de rodas é parte do espaço de quem a usa e por isso devemos nos lembrar de dar-lhe o devido espaço de movimento e livre acesso.

Jamais utilize a cadeira de rodas para se apoiar ou colocar objetos, ou mesmo sentar-se nela "por brincadeira". 

Antes de se dispor a ajudar, pergunte primeiro se a pessoa em cadeira de rodas, deseja ajuda e só então siga rigorosamente e sem pressa as instruções recebidas. Seja paciente e deixe a pessoa, com necessidades especiais, andar, falar em seu próprio ritmo, nós é que a seguimos.

Não se sinta ofendido se quem utilizar a cadeira de rodas recusar sua ajuda. Caso se ofereça um obstáculo novo, torne a perguntar se ela quer ajuda. Em restaurantes facilite o movimento da cadeira de rodas ou a condução para dentro do salão. Mas sempre depois de perguntar.

Quando conversar com alguém idoso, ou com alguma debilidade física que o faça precisar de uma acompanhante, dirija-se sempre ao idoso ou pessoa com necessidade especial e não somente ao acompanhante ou enfermeiro.

Jamais ignore quem quer que seja, muito menos o portador de necessidades especiais. Ou seja, cumprimente o acompanhante, mas mantenha a sua conversa com o portador de necessidade especial também.

Não comece por este e acabe no acompanhante porque este reage mais rapidamente. Saiba integrar o usuário de cadeira de rodas, e qualquer portador de necessidades especiais, ou melhor, qualquer um, em suas conversas.

Jamais utilize vaga, espaço, assento destinado a portadores de necessidades especiais. Sempre que possível faça espaço para passarem evitando obstruir-lhes a passagem. 

Veja mais sobre o Padre Moya

http://www.opusdei.org.br/art.php?p=29405

http://www.fluvium.org/

http://www.fluvium.org/textos/pedicacion/090405.htm


"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "