04 setembro 2013

Pequenos Barcos: 9 Dicas de Boas Maneiras

300x250 banner
  1. Como o espaço a bordo é relativamente restrito as normas de limpeza são especialmente importantes. Não se espalhe demais deixando espaço também para os outros.
  2. Não se levam grandes malas para bordo.
  3. Todos a bordo devem prestar todos os auxílios necessários evitando estar onde as manobras exijam conhecimento especializado.
  4. É preferível não fumar em embarcações. Na verdade em lugar algum, mas evidentemente não jogamos pontas de cigarro, papéis, restos de frutas ou o que seja no mar.
  5. Nos iates não é confraternizar com a tripulação. As relações são polidas mas formais. Chamam-se esses profissionais pelos seus cargos como “ garçom”, camareira e ao capitão por comandante com evidentemente o devido respeito a todos os cargos.
  6. As roupas do homem a bordo dependem do tamanho do barco e dos lugares que se ancoram. Se
    for convidado para um iate de grandes proporções com cabines, ancorado num clube da cidade usará trajes como em terra. Mas se for uma embarcação pequena e se pretende apenas uma saída para uma praia e onde a falta de empregados pressupõe a colaboração dos convidados em pequenos serviços as roupas devem ser esportivas e os sapatos de acordo. Bermudas em vez de shorts e um suéter porque pode ventar muito. Óculos escuros, chapéus para proteger do sol, filtro solar e se se é marinheiro de primeira viagem tomar um comprimido para prevenir o enjoo podem ser providências práticas.
  7. Obedecer às instruções do comandante que é o responsável pelas vidas a bordo.
  8. Algumas pessoas são excessivamente rigorosas quanto a forma de participação num esporte seja
    quanto a forma de apresentação do atleta ou quanto ao cumprimento de requisitos tradicionais àquela atividade. Devem se evitar todas as formas de intolerância e entendimentos que firam a susceptibilidade de novatos ou recém-chegados por ser pouco esportivo. Tampouco fica licenciada, a pretexto de informalidade, a sujeira, a desordem, as agressões e as tolerâncias com favoritismos e outras formas de favorecimento. Devemos buscar aceitar as regras estabelecidas e se tivermos que mudá-las que seja pelos canais competentes e de forma consensual.
  9. Nas piscinas nadando ou saltando ou na areia, não perturbe o exercício dos outros. O fato de nadarmos na mesma piscina, ou compartilharmos as instalações de um clube não nos dá o direito de forçar uma conversa com as outras pessoas que estão nadando, ou tomando sol, ou lanchando nos bares de um clube.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "