03 setembro 2013

Falta Boas Maneiras e os Nossos Gestos ao Conversar

Ao Conversar, Evite toda Demonstração de Má Educação.

  1. Não gesticularemos enquanto estivermos falando. 
  2. Não nos excedamos em informalidades como tapinhas nas costas e gestos de excessiva intimidade, principalmente com autoridades, celebridades ou com quem não temos intimidade.

Ao Conversar, Evite toda Demonstração de Recalque .

  1. Não interrompa, nem faça cara de desdém nem presuma ou demonstre que já entendeu cortando a fala do seu interlocutor.
  2. Não use nunca de palavras agressivas, deboches e nem de “brincadeiras” de mau gosto.  Evite toda  “brincadeirinha” que satiriza um erro, aponta um defeito ou exponha limitações dos outros mesmo que  estas não cheguem a ser defeitos graves.As gozações são sempre agressão, podem magoar e são sempre prova de mau gosto e de falta de educação. Se você tem necessidade de brincar, valorize sempre o outro Se você tem o hábito de se exibir expondo a limitação dos outros, não acredite nos risos que escuta, antes repare como você é cada vez mais evitado.
  3. Evite a “paixão”, trejeitos, “ataques” e todos os efeitos que tem por objetivo fazê-lo se distinguir na conversação. Ser sempre uma estrela é muito cansativo, não queira ser sempre espirituoso, sensacional, novidadeiro, etc. 

amais Fale Vulgaridades

  1. Jamais converse sobre vulgaridades nem fale palavrão.Nunca.
  2. Não converse sobre assunto chulo, sem importância ou que represente alguma forma de histeria ou descontrole sobre os instintos mais animais como luxúrias, glutonerias, invejas, etc. 
  3. É típico de gente medíocre esse concordar para não se envolver que leva muitos a aquiescer em assuntos ou no tratamento de assuntos graves com ligeireza e omissão. Evite. Se estiverem falando mal de alguém diga que não participa de maledicências. Se estão rindo de um abuso contra alguém mais fraco ou qualquer covardia, posicione-se contra claramente. A omissão em assuntos graves é cooperação com o erro e mesmo sem falar vulgaridades, a estamos apoiando por omissão. 
  4. Evite sempre comentar tragédias demais incentivando o escândalo do seu horror. Do mesmo modo evite a exacerbação em torno do ridículo e do erro, repetindo o "absurdo", o cafona, etc. É falta de boas maneiras essa crítica generalizada a um governo, país, situação. Tenha sempre bom gosto ao escolher suas conversas. Nada diz mais de você do que sobre o que você fala.
  5. Evite chavões, gírias e clichês, em palavras e assuntos: “entende”, “sabe”, “não é”, “cara”, “na atual conjuntura”, ou aqueles sensos comuns divulgados pela mídia como falsas polêmicas ou abordagens, para criar consenso fácil. Toda superficialidade é no mínimo tolice.

Jamais Presuma Nenhuma "Superioridade"

  1. Evite a crítica ácida e a gratuita. Se não é sua obrigação criticar, não o faça. Se não se pode falar bem, não se diga nada, dizia São Josemaría. A crítica cria inimizades, é mostra de indiscrição e de descortesia além de trazer má reputação para quem a faz.
  2. As discussões podem gerar ofensas e evoluir para violências, saiba parar uma polêmica.
  3. Mesmo pessoas em posições hierarquicamente superiores não devem se valer disso, durante a conversação, para manterem-se em posição de destaque como que se valendo de sua posição para submeter aos outros à sua opinião.É um grande exemplo de elegância e boas maneiras ouvir com atenção aquilo que se sabe da boca de quem não sabe. Jamais presuma nenhuma "superioridade".
  4. Preferencialmente não chame para falar à parte tirando alguém de uma conversa. Se isso for realmente necessário dê uma explicação aos demais presentes.
  5. Evite falar de gente famosa para esnobar, ou de situações de luxo que possam constranger os seus interlocutores. Você pode intimidar pessoas ao contar vantagens. Saiba ver com quem está falando e tenha temas apropriados. Você pode ter se sentido muito importante contando de sua última viagem a Nova York ou de como sua sogra que mora em Paris tem tais e tais luxos. Em determinados contextos essa conversa poderá humilhar quem no momento não pode viajar a Paris ou Nova York. E por outro lado, você pode estar falando de uma experiência que é medíocre para quem sabe mais sobre esses temas. Mas em ambos os casos você será futuramente evitado por ser pouco agradável, seja porque esnoba, seja porque fala do pouco como se fosse grande coisa. Conserte suas inseguranças e converse para criar encontro, animar, fazer companhia, ajudar, acolhendo quem está com você e não para expressar movimentos inconscientes de insegurança, inveja, etc. Lembre-se que a vida é conhecer e conhecer-se. Ser uma pessoa crescida e amadurecida  é o que se espera de uma pessoa educada. 
  6. Evite a vaidade que faz corrigir a todos e que espera todos tenham interesse pelas suas opiniões e assuntos.

Telefones e a Conversa

  1. Quando chegar a vez do seu interlocutor falar, não se deve ler, nem falar ao celular. 
  2. Se for necessário, peça licença e retire-se para um canto onde não atrapalhe o andamento da conversa, refeição ou reunião. 
  3. Não se impede que os outros continuarem conversando só para esperarem você terminar de falar ao telefone.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "