08 junho 2013

O que é Preciso Explicar sobre Boas Maneiras aos Filhos


Crianças criadas com boa educação não dão trabalho extra à empregada ou à mãe. Eles arrumam sua cama, suas coisas e cumprem as atividades que lhes cabe na casa sem reclamar e sem receber especial recompensa por isso.

Se ao comer um biscoito sujam a mesa ou o chão com farelos eles mesmos os limpam e não a empregada ou a mãe. Do mesmo modo limpam a mesa se a molham com o "suor" da bebida gelada. Os filhos bem educados sabem que não devem colocar copos sobre a mesa sem porta-copos. 

Do mesmo modo aprendem que bebidas não se colocam senão sobre a mesa, num suporte conveniente como uma bandeja, porta-copos ou pires e não em prateleiras, sofás, cama, ou sobre livros, cadernos, etc. Ou seja, os filhos aprendem em casa a utilizar educadamente os bens materiais aprendendo a conservá-los e a utiliza-los para o que foram projetados.

E com cuidado e capricho! Sem limpar a mão ou o que molhou na própria roupa ou limpando o que sujou com a mão. Deve pegar um pano apropriado e limpar como se deve. Os pais devem exigir isso a cada vez que aconteça até que tratar bem todas as coisas se torne um hábito do filho. É preciso explicar sempre e insistir, sem fazer a limpeza por eles, nunca. Uma lição adiada é uma lição perdida para o aprendizado. Várias pequenas lições perdidas tornam qualquer aprendizado insuficiente.

O filho bem educado procura se relacionar bem com os professores e com os colegas na escola. Chega lá sem atrasos e com os deveres bem feitos e completos. Comporta-se bem com as pessoas e trata bem os objetos, móveis e utensílios da escola. Ter esse valor de cuidar bem das coisas e de procurar integrar-se na escola de boa maneira é uma das obrigações das boas maneiras que os filhos aprendem em casa.

E deve ser feito de maneira concreta e não genérica como quando a mãe ao despedir-se diz "comporte-se" no portão da escola. Mas essa educação é feita pelo exemplo: se a mãe reclama de ter que lavar o uniforme do filho como vai esperar que ele não reclame de ter que mantê-lo em ordem? Os pais precisam mostrar primeiro, antes de falar e exigir do filho, o mesmo capricho que querem que seus filhos demonstrem com suas coisas.

É preciso lembrar que informações claras sobre o que se espera dos filhos contribui para formar filhos com mais segurança pessoal. Ou seja, não apenas se diz que tem que chegar em tempo, estar bem vestido, ter os deveres feitos, respeitar os professores, etc., mas se demonstra isso concretamente.

Ps.: Algumas pessoas podem ver as questões de boas maneiras como prescrições "fechadas", quase receitas. Por isso gostaria de fazer o seguinte esclarecimento sobre esta postagem: A criança deve aprender e ser estimulada a dar-se bem na escola, mas isso não quer dizer submeter-se a qualquer opressão, constrangimento ou coisas desagradáveis na escola. Por isso os pais devem estar atentos a tudo o que os filhos contam do colégio e também o que não contam, os silêncios também falam muito.

O que se procura aqui é ressaltar a necessidade do filho procurar, como referência de boas maneiras, "fazer a sua parte", inserir-se socialmente. Nesse sentido esta postagem sobre boas maneiras visa alertar para aquelas atitudes de criticar todos os professores e o que tem que fazer ou os colegas, as instalações com demasiada soberba que tudo julga e critica como forma de exaltar-se. Provavelmente o professor está fazendo o melhor que pode. 

Escola e família devem andar sempre juntas na educação dos filhos. Por isso é muito importante estar integrado com o que ocorre com seu filho na escola e atento para corrigir o que é apenas arrogância. Levá-lo a querer bem aos outros e ao que tem é muito importante para o desenvolvimento do próprio caráter do filho.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "