07 janeiro 2013

Boas Maneiras e o Exemplo dos Pais

Conheça-se a si mesmo e depois conheça-se cada vez mais. Não permita que complexos de inferioridade por motivos como falta de dinheiro, instrução posição social, ou invejas, ou consumismos, ou colegas de grupo, ou “técnicos especialistas” como o psicólogo do seu filho, ou a ideologia dominante determinem o caminho que você e sua família devem seguir.

Determine você mesmo o que é certo começando por conhecer o que é certo aos olhos de Deus. Você não pode ter melhor referência. A sua estrada, que inclui a direção que você dará à sua família, só você pode escolher. Saiba aproveitar tudo de bom como os especialistas em educação, a escola, a mídia, para lhe ajudarem, mas a sua vida é como um caminho pelo qual só você pode seguir. Portanto faça suas e boas eleições e seja fiel a elas.

Não “crucifique” os outros apontando-lhes os erros, sendo impaciente com as inexperiências e desconhecimentos dos filhos, da esposa, dos empregados. Seja tolerante e ensine tudo a todos, gratuitamente, sem esperar nada em troca. Esteja ciente de que rebeldia de adolescentes, raivas, reclamações excessivas de idosos podem ser sinal de uma alma que precisa de orientação e sempre de uma boa confissão. Oriente-a e reze para que ela encontre seu caminho. 

Trate os convidados em seu lar com muita consideração. Ensine seus filhos a tratar bem todos os parentes e as pessoas em geral, não importa se entregadores, empregados domésticos ou presidentes como respeito. Esse é o caminho mais rápido, na vida em sociedade, para terem honra e não se sentirem inferiorizados em relação a quem quer que seja, nem superiores e fúteis. 

Tenha por hábito rezar: Estabeleça um horário fixo para rezar, de manhã ou de tarde, mas seja fiel. Deus está lhe esperando nesse horário. Reze sozinho regularmente e também freqüente a Missa que é a oração comunitária por excelência. Reze não só por si, mas também pelos outros. Não se esqueça de mandar rezar Missas pelos seus falecidos.

O exemplo dos pais é especialmente importante em:

  1. Não conte vantagem, não exalte o erro nem na forma de piadas ou grosserias, não exalte bebedeiras, jogatinas nem ter iludido ou enganado mulheres ou pessoas mais fracas. Não tome o que não é seu de quem quer que seja, nem valorize golpes e enganos como "malandragem de espertos". Não são e vistos nos pais corrompem. Dê exemplo de respeitar a comunidade, a natureza com suas plantas, rios, animais e a cultura. Em todas as ocasiões da vida cotidiana porque é aí que se forja o que somos. Valorize o trabalho, a família e o que tem.
  2. Respeite o espaço de cada um. Dê exemplo de respeitar os pensamentos, os desejos e as palavras dos outros principalmente dos mais fracos. Jamais consinta em ridicularizações, preconceitos antes ao contrário promova a livre expressão. Sinceramente respeite a livre expressão pessoal dos seus. Isto é muito importante de um pai para com uma filha para que ela não aceite situações em que é oprimida pelo marido, ou humilhada profissionalmente. A maneira por excelência de se ser aceito, afirmado quando ainda se está com o caráter em formação é ter a livre expressão acolhida sem críticas precipitadas, sem um ouvir impaciente e superficial. Ensine as crianças com amor, sabedoria e carinho. Tenha isso no seu coração para poder dar. 
  3. Evite magoar as pessoas diretamente ou indiretamente com rudezas de caráter. Aprenda a ser uma pessoa melhor. Não fale mal dos outros. Fale de coisas boas, tenha interesses nobres. Peça sempre perdão se ofender alguém. Todos nós cometemos erros. Pensamentos de raiva, ressentimento, tédio trazem um mal duradouro sobre o nosso próprio espírito e sobre o ambiente à nossa volta, em especial da família e oprime os filhos comprometendo o pleno desenvolvimento de suas personalidades. A Confissão Sacramental é o meio por excelência de uma renovação interior. Procure o seu confessor.
  4. Seja honesto, em tudo e sempre. Cultive-se em virtudes e boas maneiras. Não force o seu pensamento sobre os outros. Se for um pensamento verdadeiro e não um voluntarismo, uma imposição autoritária e arbitrária, machista ou que visa o seu comodismo, será preciso talvez repeti-la muitas vezes porque um dos sinônimos de educação é repetição, mas bastará ser explicitada, para ser entendida.
  5. Isto não quer dizer deixar ao livre arbítrio do jovem decisões para os quais ele não tem capacidade de discernir plenamente, quer dizer explicar, evitar o mando arbitrário sem explicações. Mas sem jamais omitir-se de interferir porque já se explicou: se a criança insiste em andar no parapeito ela vai cair. Aja, mas explique e ofereça alguma alternativa para o seu desejo de aventurar-se e conhecer.  O mais importante é não omitir-se enfrentando com coragem, e imediatamente o que deve ser corrigido, mas pelo bem da pessoa corrigida e não rispidamente e sem a preocupação por educar, mas para se livrar de uma chateação. Seja responsável pelos seus como o que são: pessoas que Deus lhe deu para que você as ajudasse a crescer. Não alguma forma de compensação emocional, ou razão de seus aborrecimentos e gastos. Compreensões sem grandeza, medíocres ou limitadas sobre os demais só podem vir de pessoas que tem estes atributos. Para mudar é preciso mudar o próprio entendimento e elevar-se.
  6. O grande escritor russo, Anton Tchékhov, no seu conto "Champanha - Relato de um Velhaco" faz a clara discrição que se aplicaria a muitos pais e avós costumeiros reclamões: "Sabe, há pessoas medíocres e egocêntricas que em certos momentos, quando a consciência de que são infelizes lhes causa um certo prazer, até se coqueteiam perante si mesmas com os seus sofrimentos. Havia muito de verdade nos meus pensamentos, mas também havia muito de absurdo, jactansioso, e havia algo de infantil e provocador em minha pergunta: " O que me pode acontecer de (mais) ruim?"(1)
  7. Mantenha a boa saúde. Muitos problemas são, na verdade, expressão de desorientações, resistências, omissões, ignorância no âmbito da saúde do corpo de da mente.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "