06 setembro 2012

Boas Maneiras e os Hóspedes: 21 Lembretes


  1. Avisar com antecedência a hora e o local de sua chegada. Se alguém ficou de buscá-lo no aeroporto e não chegaram, telefone para saber se seus anfitriões estão bem, mas ofereça-se para pegar um táxi e chegar por seus próprios meios.
  2. Respeite os modos da casa, seus ocupantes e objetos. Não coloque roupa molhada nos armários nem trate com desdém o que lhe oferecem. Você pode achar que merece mais, mas pode ser tudo o que eles têm e o oferecem com toda a boa vontade.
  3. Muitas vezes somos hospedados por famílias que não conhecemos muito e que estão nos fazendo um favor e com as quais por diferença de idade ou de motivação da hospedagem, ( cortesia a um filho que pediu para receber um amigos em trânsito, motivações religiosas, etc.) não temos os laços de convívio se estivéssemos hospedados em casa de amigos com os quais o objetivo principal seria o convívio. Nesses casos, não se esqueça de fazer companhia a seus anfitriões quando for o caso ou prestar pequenos serviços. Não se trata de envolver-se com a lida da família e seus problemas, mas de não valer-se dos seus anfitriões como se os usasse interessando-se por eles apenas na hora das refeições ou antes de pedir um favor. Seja sempre amável e agradecido procurando incomodar o mínimo possível e se interessando pelas sugestões ou conversas que eventualmente surjam sem fugir delas como se estivesse num hotel em que pode ir para o seu quarto sem incomodar-se com o que acontece no lobby, por exemplo. Seja especialmente considerado com os mais velhos.
  4. Trate os empregados da casa com cortesia, mas sem familiaridades ou intimidades. Muito menos fale com eles sobre os seus anfitriões ou seus parentes e amigos. Não se dá ordem direta aos empregados nem se lhes dirige um pedido diretamente, mas se fala com a dona da casa. Os empregados da casa em que se está hospedado devem ser tratados com discrição e cortesia.
  5. Não se estende a mão aos empregados quando eles lhes são apresentados, somente em caso de empregado muito idoso ou que esteja na família há muito tempo e já seja como um membro dela.
  6. Não intrometer-se nos assuntos familiares.
  7. Não deixe de agradecer a hospedagem assim que retornar para casa. Envie flores ou um cartão de agradecimento e já convidando os seus anfitriões para passarem um tempo com vocês, se for o caso
  8. Tanto nas refeições, como nos eventos sociais e quando somos hospedados na casa de parentes ou amigos temos a obrigação de colaborar para o sucesso do momento sendo amáveis, participando das conversas alegremente e sem queixumes.
  9. Não esquecer objetos pessoais na casa de seus anfitriões. Se for coisa de pouca monta não os incomodar com devoluções. Para algumas pessoas ter uma lista para checar o que é preciso levar na viagem e que serve depois para ver se está trazendo tudo de volta pode ser a solução.
  10. Não deixe de ter roupa apropriada para as circunstâncias em que se verá envolvido como maiôs, sandálias, chapéus e óculos de sol se o local para onde você vai é de praia ou piscina. O mesmo para situações sociais como maquiagem etc. para não incomodar seus anfitriões com pequenos problemas de última hora, ou empréstimos de roupas e acessórios. O ideal é não pedir nada emprestado aos seus anfitriões. Nem pequenos favores como me leve aqui ou acolá para comprar o que me falta, etc.
  11. Evite usar o telefone. Se precisar falar seja muito rápido. Ligações interurbanas só a cobrar.
  12. Guarde documentos e objetos de valor como jóias e dinheiro em gaveta com chaves para evitar dissabores.
  13. O hóspede deve se comportar como convidado e não como dono da casa. Se houver discussão entre os anfitriões sobre qual programa fazer não interfira. Diga que terá prazer em ir onde acharem melhor.
  14. O hóspede não faz barulho em horários inconvenientes. Não colhe frutas, nem flores dos jardins da casa em que está hospedado. Não se impõe cedo na cozinha com exigências nem se serve se ainda ninguém o fez. ( Ver boas maneiras à mesa no Vida em Sociedade)
  15. O hóspede sai do quarto e do banheiro corretamente vestido mesmo que em casa de parentes próximos.
  16. O hóspede se adapta, portanto, aos gostos e preferências dos anfitriões e demonstra, com atitudes mais do que com palavras que aprecia os esforços dos seus anfitriões em bem recebê-lo.
  17. Se os anfitriões são parentes próximos ou tem posses, ou se são muitos e o hospede é um só e permanece pouco tempo, talvez não seja necessário dividir despesas, ou fazer compras para a casa. Mas cada caso é um caso e podemos sempre conversar para ver como colaborar.
  18. Antes de partir o hóspede poderá convidar os anfitriões para um jantar de despedida a título de retribuição. Aliás, sempre se oferecerem situações em que o hóspede pode fazer uma cortesia aos anfitriões ele não deve fugir dela. Mas não é necessário ficar “pagando” a estadia a todo instante e a toda hora. A retribuição da hospedagem se dá quando se hospeda em retorno se não a família inteira dos nossos anfitriões porque somos sozinhos ou não é o caso, ao menos um filho em trânsito, ou quando recebemos um estrangeiro e o nosso ex-hóspede, em sua cidade e a nosso pedido, leva o estrangeiro para um passeio. Se saírem para jantar o anfitrião deve ser o primeiro a estipular que as despesas sejam divididas para evitar que o hóspede se veja impingido de pagá-las. Eventualmente o hóspede pode fazer uma despesa com os anfitriões, mas não deve ser coagido a “pagar pela hospedagem” a cada sorvete com as crianças ou a cada pizza. O melhor trato é fazer contas corretamente e depois fazer as cortesias. Bons muros fazem bons vizinhos quer dizer que o anfitrião ao aceitar que o hóspede lhe pague a pizza pode ser obrigado a pagar uma conta de telefone três vezes maior.
  19. Não aceite hospedar-se em casa de quem não conhece muito bem os valores e os modos. Muitos problemas decorrem de estar-se em casas em que a frouxidão dos valores leva ao convívio com pessoas, senão os anfitriões em si, mas talvez seus amigos de pessoas afeitas a drogas, à frouxidão quanto a moral sexual, ou outros vícios. Se não está acostumado a acampar ou a situações muito informais não se hospede em casas em que o nível de conforto é abaixo do que o que você tem em casa. Se você não for uma pessoa flexível e de muita virtude irá ser um mau hóspede ao se deparar com insuficiências com as quais não está acostumado como falta de água encanada, luz elétrica, ar condicionado, etc.
  20. Seja grato pela hospedagem e pelo carinho recebido mesmo que tenha faltado alguma coisa. O fato de não termos sido tratados como gostaríamos ou esperávamos não significa que não recebemos tudo o que os nossos anfitriões tinham de melhor.
  21. Não peça dinheiro emprestado aos seus anfitriões. A ninguém, de preferência.
"Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "