24 agosto 2012

27 Dicas de Boas Maneiras nos Ônibus

  1. Ceda a vez nos ônibus aos mais velhos, mulheres e deficientes. 
  2. Não é de bom tom ler o jornal dos outros ou “secar” o que quer que os outros tenham um sorvete, uma bebida, etc.. 
  3. Nos transportes públicos use sempre: desculpe, pois não, por favor e muito silêncio. Se possível não atenda o celular. 
  4. Ajude quem está com muitos pacotes no transporte público: ofereça-se para segurar o embrulho se estiver sentado e a pessoa em pé, mas não insista sobre a bolsa da pessoa, só cadernos e embrulhos. 
  5. Não encoste nos outros.
  6. Obedeça as regras e sinalizações como deixar o vagão de trem exclusivo para as mulheres, só para as mulheres. 
  7. Ponha seus pertences no ônibus, avião, sem perturbar ninguém. 
  8. Pergunte antes de abrir se o seu colega no ônibus se incomoda se você abrir a janela. 
  9. Se for viajar ajude a preparar as malas com antecedência (não espere que o façam por você). 
  10. Leve tudo o que vai precisar, não conte com as coisas dos outros. 
  11. Evite comer nos transportes públicos. Se for necessário, seja discreto. Onde é servido comida é preciso também restringir-se para não se expandir demais em exigências e preferências absurdas dadas as circunstâncias. 
  12. Nas estações de trem, rodoviárias, aeroportos, não deixe cair nada no chão. Colete todo seu lixo num saco até que encontre o lugar apropriado para despejá-lo. 
  13. No ônibus procure não esticar demais as pernas a ponto de incomodar quem está na frente, ou batucar, ou cutucar o assento da frente com tiques nervosos. Muito menos sujar o transporte público, para limpá-lo ou restaurá-lo você vai pagar uma passagem mais cara amanhã. 
  14. Ajude os passageiros idosos ou com dificuldades para entrar ou sair do ônibus. 
  15. Nas excursões não seja aquele que sempre faz todos os outros esperarem. Seja cooperativo e pontual. 
  16. Conserve limpa a natureza: parque, praia, montanha, sua casa. 
  17. Devemos sempre oferecer o lugar no ônibus a um idoso, e à mulher grávida ou com criança pequena, e ao deficiente físico. 
  18. Do mesmo modo devemos segurar os embrulhos de quem está de pé, mas isso não quer dizer que necessariamente devamos puxar conversa, ou nos tornarmos íntimos. Podemos prestar um serviço qualquer do modo mais naturalmente possível. 
  19. Ajude sempre que puder a todas as pessoas e não apenas aos que tem preferência como os idosos, deficientes, etc. Um rapaz que quer tirar o troco e está segurando um guarda-chuva e a pasta. Ofereça-se para segurar seus pertences. 

  20. Não incomode aos outros esbarrando, empurrando, reclamando. Tenha sempre as boas maneiras em mente. Esteja sempre limpo e asseado ao utilizar uma condução pública. Pobreza não quer dizer sujidade. Use um lenço se precisar espirrar e seja discreto. Não incomode com música e adie a conversa ao celular. Ao dividirmos um espaço tão pequeno com várias pessoas é preciso conservar a discrição e evitar todas as expansões como assovios, batucadas etc. Enquanto você está alegre alguém ali ao lado pode estar triste, doente, estressado, ter recebido uma notícia de morte e a sua expansão pode ser especialmente pesada. 
  21. Não risque nem suje o ônibus, trem ou metrô em hipótese alguma. Se não houver uma cestinha onde possa depositar o papel da bala fique com ela até encontrar uma lixeira. As boas maneiras constroem assim uma sociedade mais civilizada. 
  22. Tudo que possamos fazer para suavizar a vida dos outros é bem vindo especialmente em ambientes apertados, às vezes cheios e incômodos: Disfarce a cara feia do mau humor, facilite o troco, responda a um inconveniente involuntário como um esbarrão ou uma pisada com um perdão pronto e amável. Seu exemplo de amabilidade pode aliviar os inconvenientes da viagem. 
  23. Em ambientes nos quais os funcionários possam estar sobrecarregados quer pelo tipo de trabalho, quer por causa do calor ou do trânsito, das más condições de trabalho, etc., devemos pensar duas vezes antes de radicalizarmos uma queixa com gritos e acusações porque o motorista passou do ponto. São descontroles e não queixa pertinente. Algumas pessoas tendem a reclamar com especial virulência desde a primeira admoestação, e usam os erros dos outros para humilhar e se sentirem superiores. Isto é totalmente incompatível com a qualidade humana que devemos ter. Reclamar sempre, mas para mudar o serviço para melhor e com educação e pelos canais competentes. Que não fique dúvida que a pessoa educada é exatamente aquela que sabe controlar suas possíveis explosões de raiva em nome da caridade, maior de todas as virtudes. Mais do que boas maneiras o importante é ter caridade. 
  24. Se existir fila, saiba esperar com paciência sem ficar reclamando com as pessoas em volta. Evitar empurrões, jamais fure fila e ceda a vez quando necessário. Mesmo quando se "perde a vez" na fila pode se estar ajudando alguém ou, ao mostrar compreensão com pessoas mal humoradas se está marcando um ponto por lembrar o valor da cortesia. Mas não se trata de cooperar com abusos e displicências no atendimento. 
  25. Os mais jovens cedem lugar aos mais velhos. Sempre. 
  26. Facilite o troco. 
  27. Cumprimente o trocador e agradeça ao motorista ao sair do ônibus em que fez uma viagem longa. No dia a dia da cidade às vezes isto não é possível mas é sempre recomendável. 
  28. Não jogue lixo pela janela. Não jogue nem o menor papelzinho. Nem pela janela nem no ônibus. 
  29. No caso de temporada em hotéis em que as refeições estejam incluídas na diária e onde a taxa de serviço não está incluída, o certo é dar uma parte da gratificação aos profissionais que nos vão servir logo no primeiro dia.
- *** - 
    "Boa parte da nossa vida está composta de pequenos encontros com pessoas que vemos no elevador, na fila do ônibus, na sala de espera do médico, no meio do trânsito da cidade grande ou na única farmácia da cidadezinha onde vivemos... e ainda que sejam momentos esporádicos e fugazes, são muitos por dia e incontáveis ao longo de uma vida. Para um cristão, são importantes, porque são ocasiões que Deus lhe dá para rezar por essas pessoas e mostrar-lhes o seu apreço, tal como deve suceder entre os que são filhos de um mesmo Pai. Fazemos isso normalmente através desses pormenores de educação e de cortesia que temos habitualmente com qualquer pessoa, e que se transformam facilmente em veículos da virtude sobrenatural da caridade." Fernández-Carvajal, Coleção Falar com Deus" volume 3,Tempo Comum(1) Semanas I a XII, pag. 33. "